CARREIRA PROTEANA: APRENDA O QUE É E PORQUE ESTÁ EM ALTA!

CARREIRA PROTEANA: APRENDA O QUE É E PORQUE ESTÁ EM ALTA!

Carreira proteana? É, o nome pode soar estranho, no entanto, a ideia é mais atual do que nunca. Nos últimos 20 anos, diversas mudanças ocorreram no mercado de trabalho, especialmente no que tange ao uso das tecnologias de informação e comunicação (TICs) na indústria e nos serviços.

Quer entender qual a relação entre as TICs e a carreira proteana? Continue a leitura deste artigo!

O que é carreira proteana?

Conceito definido na década de 1970, pelo professor Dr. Douglas Tim Hall, e ampliado a partir de 1990, carreira proteana refere-se às mudanças no modelo das relações de trabalho. Na verdade, ela se alinha ao novo mercado de trabalho, permeado pelas TICs, o qual abarca diferentes tipos de carreira.

Hoje, quem gere a vida do trabalhador é ele próprio, por isso, não se apega a uma organização específica, mas, sim, às quais mais se adequem a seus valores, ao seu estilo de vida e às suas pretensões.

Principais características da carreira proteana

A essência da carreira proteana constitui a flexibilização. A partir da intensificação da economia globalizada, da internacionalização do trabalho e da centralização dos processos em plataformas digitais, impuseram-se novas formas de negócios, assim como novos tipos de carreiras.

Se, antes, a carreira era sinônimo de linearidade (progressão dentro de uma mesma área), hoje, é a variação que conta, o acúmulo de experiências diversas que forme, mais globalmente, o indivíduo, de acordo com suas aspirações e crenças.

Por isso, é importante o planejamento das finanças, da rede de relacionamentos e o investimento contínuo em cursos, a fim de que os desafios sejam encarados de forma tranquila. Ainda em dúvida sobre o que é carreira proteana? Conheça 3 vantagens dela!

Veja 3 vantagens da carreira proteana

  • Autogestão: assim como Proteu — divindade aquática grega que deu nome à carreira proteana — se metamorfoseava para assumir qualquer forma, na autogestão, você define os rumos de sua carreira de acordo com cada etapa de sua vida.
  • Flexibilidade: ao escolher uma companhia alinhada a seus interesses, ou ao optar pela vida freelancer, ou, ainda, por ambas, tem chance de investir tempo em cursos e conhecimentos variados que agreguem valor à sua vida de forma integral, não apenas profissional.
  • Equilíbrio: ao unir bem-estar mental e corporal ao trabalho, quem escolhe essa carreira procura benefícios não só profissionais, mas também espirituais, sociais e familiares.
LEIA MAIS  Universidade online oferece 15 mil bolsas para profissões do futuro

Quais tipos de carreiras existem?

Além da proteana, existem outros tipos de carreiras, dentre os quais, se destacam:

Carreira sem-fronteiras

O termo carreira sem-fronteiras, definido na década de 1990, por Michael Hall, remete a um comentário feito por Jack Welch, então diretor-geral da General Electric, no qual afirmou que a empresa se diferenciava das concorrentes porque estimulava um ambiente no qual as informações e as decisões fossem fluidas entre os setores.

Tal fluidez destacava-se diante da hierarquia rígida da maioria das corporações no mundo, já que, de modo inovador, propunha a tomada de decisões de forma horizontal, a fim de que todos participassem dela ativamente.

Consequentemente, passou-se a flexibilizar a noção de fidelidade, pois os profissionais começaram a trabalhar para mais de uma empresa, ou em diversos setores de uma mesma companhia. A queda das fronteiras constitui fruto da automatização do trabalho e do uso das tecnologias como meio de comunicação interno e externo.

Totalmente dependente das TICs e por elas influenciado, o profissional vive sem fronteiras, o que obriga as organizações a estar em todos os lugares e alinhadas a valores sustentáveis.

LEIA MAIS  Guia de Carreiras: Administração

Carreira tradicional

Até o início dos anos 2000, o sucesso profissional determinava-se pelo tempo dedicado a uma carreira específica, com progressões lineares, e, se fosse na mesma empresa, para muitos, era melhor ainda. Assim, haveria estabilidade até o fim da vida profissional.

A ideia básica, no olhar tradicional de carreira, era manter-se fiel a uma rotina definida pelo empregador, baseada na lógica organizacional difundida pelo engenheiro, Jules Henri Fayol (1841-1925), o qual criou o modelo hierárquico vigente durante todo o século XX.

De acordo com os Princípios de Fayol, o empregado, além de viver sob regras claras e disciplinares, deveria render o máximo no menor tempo possível, mantendo-se leal à empresa e à hierarquia. Ou seja, o exemplo de líder era o do autoritário que falava mais alto, para mostrar que mandava.

Carreira acadêmica

Na carreira acadêmica, o profissional busca aperfeiçoar-se numa área do saber, tornando-se mestre, doutor ou livre docente nela. Seu trabalho abrange aulas em universidades e a participação em projetos de pesquisa em que haja a troca de conhecimentos.

Nesse tipo de carreira, você pode ter contato com diferentes culturas por meio do intercâmbio entre faculdades. Além disso, pode desenvolver projetos totalmente focados no novo mercado de trabalho, embalado pelos avanços na tecnologia.

Carreira tradicional X Carreira proteana

Para entender melhor a diferença entre a carreira tradicional e a carreira proteana, veja, na tabela a seguir, as 5 principais diferenças entre elas.

Carreira tradicional Carreira proteana
Fidelidade a uma ou poucas companhias Fidelidade a valores pessoais
Progressão linear da carreira Progressão holística da carreira
Estabilidade Múltiplas experiências
Restrição do trabalho ao espaço físico Trabalho remoto
Rigidez de horários Horários flexíveis

Por que a carreira proteana está em alta?

A carreira proteana está em alta, porque permite, ao indivíduo, decidir, com autonomia, quais rumos seguirá. A pressão social relacionada à carreira também se tornou mais flexível, já que se compreende que podem coexistir diversos modelos de empregabilidade.

LEIA MAIS  10 mil bolsas de estudo são oferecidas pela Estácio

A empregabilidade refere-se à busca constante pela renovação, pelo aprimoramento individual e coletivo para que todos os envolvidos num empreendimento, ou projeto, possam crescer por meio de trocas enriquecedoras.

Essa tendência está tão intensa, que, em 2020, milhares de norte-americanos pediram demissão, impulsionados, principalmente, pelas mudanças impostas pela pandemia, que nos fizeram repensar escolhas e valores, incluindo-se os objetivos profissionais.

O novo mercado de trabalho

Como se vê, o novo mercado de trabalho é muito dinâmico, uma vez que se insere na lógica das tecnologias. Aquelas grandes marcas, que costumavam empregar milhares de pessoas em espaços físicos enormes, vêm, cada vez mais, se transformando em pequenos negócios.

Segmentadas e espalhadas pelo mundo, as marcas, hoje, dependem, basicamente, de bons servidores e de internet potente para permitir a rápida comunicação entre os pares de trabalho e para armazenar milhares de dados.

Portanto, os profissionais também precisam adequar-se à nova lógica, por meio da busca constante de novos conhecimentos. Para tanto, há cursos on-line e presenciais com alta empregabilidade, como os da Estácio, capacitados para formar profissionais habilitados às novas relações de trabalho.

Como se preparar para o mercado de trabalho?

O autoconhecimento é o primeiro passo para nos prepararmos para o mercado de trabalho. Se você se interessa pela Administração, saiba que pode fazer o curso tecnólogo na área de Gestão de Recursos Humanos, o qual permite contato com conhecimentos da teoria administrativa, mas aprofunda-se na compreensão das novas formas de trabalho e gestão.

Ou não? Prefere a área da saúde? Há o curso de Biomedicina, voltado para a pesquisa. Após o diploma de bacharelado, os recém-formados estarão habilitados a trabalhar em laboratórios, hospitais e clínicas. Na conjuntura da pandemia, esse profissional tornou-se imprescindível e mais valorizado.

Fonte: Blog.estacio.br

Deixe um comentário