Por que estudar na Holanda é uma excelente escolha

Por que estudar na Holanda é uma excelente escolha

A Holanda, ou Países Baixos – seu nome oficial, é habitada por 16 milhões de pessoas e faz fronteira com a Bélgica e a Alemanha. Seu idioma oficial é o nederlands , ou holandês, mas estima-se que 90% da população domina o inglês conversacional. O país faz parte da União Européia, tem o Euro como moeda oficial e sua capital é a charmosa Amsterdã e estudar na Holanda é um dos melhor destinos da Europa.

As cidades mais conhecidas além da capital são Roterdã e Haia, mas há boas universidades em todo o país, especialmente em Groninga, Utreque, Delft e Leiden.Quem quiser estudar fora encontra muitas vantagens em escolher a Holanda.

Se você já tem um bom nível de inglês, não terá problemas em se comunicar por lá pois a maioria das pessoas fala fluentemente o idioma. Na época em que viajei, meu nível já era avançado, mas fiz vários amigos na faculdade que aperfeiçoaram seu inglês básico durante o intercâmbio.

Além desta facilidade, o país tem várias instituições de ensino superior com renome internacional como a Erasmus University, Delft University of Technology , University of Amsterdam, Utrecht University, entre outras.

Estudar na Holanda também significa morar no coração da Europa e contar com trens, ônibus e voos a preços baratos, quando comprados com antecedência, para as principais capitais turísticas do velho continente.

Entenda a diferença entre Hogeschool e Universidade na Holanda

O sistema de ensino na Holanda diferencia as instituições de ensino superior em dois tipos: University e Hogeschool. Apesar de Hogeschool se assemelhar ao termo highschool em inglês, não se engane! O significado real do termo é universidade de ciências aplicadas.

LEIA MAIS  Crise econômica motiva brasileiros a estudar no exterior

Enquanto na universidade os alunos se dedicam à etapa de research e escrevem uma tese para concluir seu curso, na hogeschool o ensino adquire um viés mais prático, e o aluno deve encabeçar um projeto durante o seu estágio em uma empresa ao invés de escrever uma dissertação.

Se o seu foco for obter um PhD, tornar-se um cientista ou seguir carreira acadêmica, você deve buscar admissão à uma universidade.

Outra diferença entre as instituições é o fato do curso de bacharelado durar quatro anos na hogeschool, enquanto na universidade ele dura três anos. Isso acontece por que na primeira você segue um curriculum padrão de cursos, além de passar pelo menos um semestre fazendo estágio, mas na segunda é você quem escolhe as matérias pertinentes para o seu estudo.

Se você buscar as opções de bacharelado na Holanda, também notará que há mais abundância de cursos ensinados em inglês nas hogescholen do que nas universidades.

Para quem for da área de exatas, também existe um terceiro tipo de instituição, os institutos de tecnologia (ou technische universiteit), universidades focadas apenas em cursos de engenharia e tecnologia.

O que estudar na Holanda

A maioria dos cursos técnicos e universitários são oferecidos em holandês e inglês e o ensino se destaca em diversas áreas do conhecimento: Arquitetura, design, logística, gestão da água (water management) e diversas engenharias. Outras disciplinas como belas artes e negócios também florescem na Holanda, país com tradição na pintura e no comércio internacional.

LEIA MAIS  As 15 melhores bolsas de estudo que encerram inscrições em março

5 vantagens de Estudar na Holanda

As principais razões pelas quais é tão especial viver e estudar na Holanda podem ser resumidas em cinco pontos:

Estudar em inglês

Estude, respire e viva o inglês no seu dia a dia. Apesar de não ser o idioma oficial do país, todos falam o idioma nos bares, restaurantes, supermercados, e, claro, na faculdade. Aproveite a vantagem de que há um número alto de cursos com currículo completo em inglês para ter um diploma internacional.

Conviver com diversas nacionalidades e culturas na sala de aula

Não são só os alunos que vem de todas as partes, os professores e o staff das escolas também compõem o ensino multicultural oferecido lá. É muito comum ter profissionais do Reino Unido, Portugal e Alemanha ensinando e trabalhando nas faculdades. Há certas cidades como Amsterdã e Roterdã, principalmente a última, que atuam como um grande hub internacional, o que enriquece a experiência como um todo.

Mobilidade ao andar de bicicleta

Você vai encontrar ciclovias e bicicletários por todo o país. Pode, inclusive, ir de uma cidade à outra pedalando. Quem anda de bike tem prioridade no trânsito, em algumas vias até mais do que o pedestre, e além de desfrutar de um meio de transporte barato e pouco poluente, fica independente dos horários de ônibus ou tram quando sai à noite. Por ser um transporte popular (estima-se que há ao menos 1 bike por habitante no país), é preciso ter cuidado com a bicicleta: invista em bons cadeados, pois é muito comum ter a bike roubada. Já aconteceu comigo e foi no lugar mais inusitado possível: em frente ao centro de saúde onde fiz um exame médico, em uma avenida movimentada!

LEIA MAIS  Concurso da ONU premia jovens com viagem a Nova York

Proximidade com outros países

Estude durante a semana e viaje à vontade pela Europa de ônibus, trem ou avião nos fins de semana. A vantagem de estar na Holanda é de estar a poucas horas* de grandes cidades como Paris (6h de ônibus), Bruxelas (2h30 de trem) e Berlim (1h15 de voo). Essa proximidade de outros países também faz da Holanda um país estratégico, que atrai profissionais e estudantes de várias nacionalidades, um excelente lugar onde fazer networking profissional.

*Considera Amsterdã como ponto de partida.

Descontos para estudantes

Existem cartões de desconto disponíveis para jovens e estudantes como o European Youth Card , o CJP (em holandês) ou o ISIC com ofertas em vários estabelecimentos de compras, museus, festivais, teatros etc. Alguns bares e restaurantes tem dias da semana com festas estudantis onde a cerveja pode custar apenas 1 Euro e no cinema estudantes também pagam mais barato.

——-

Por experiência própria posso dizer que estudar nos países baixos é único: os seis meses que vivi em Roterdã me renderam muitas lembranças, contatos profissionais, aperfeiçoamento do inglês e uma introdução ao nederlands. Foi também o que abriu portas para os meus primeiros estágios e trabalhos, sem dúvida um investimento que valeu a pena e que faria novamente.